As bonecas e a diferença | Dolls and differences

Somos todas diferentes, certo? Mas muito provavelmente, quem tem mais de trinta anos cresceu brincando com uma boneca loira de olhos azuis, mesmo não tendo nenhuma dessas características.

Não há nada de errado com os caucasianos. O problema é viciarmos nosso olhar sobre a estética e não enxergarmos a variedade de opções e a beleza que existe em cada uma delas.

Por isso essa palavrinha “representatividade” tem ganhado cada vez mais espaço, a partir da década de 80, segundo o Ngram Viewer.

Há uma discussão sobre o surgimento das bonecas, mas a representação feminina começo
u bem antes da boneca de plástico, fato. Uma das primeiras es320px-venus_von_willendorf_01tátuas que se tem notícia eram das Vênus de Willendorf e data entre 2500 e 2000 a. C.

A estátua mostra uma mulher possivelmente gestante, com as mãos sobre os seios. Seu rosto não é delineado. Tudo na escultura chama atenção para a seu ventre, sua bacia larga, os seios fartos. Símbolos clássicos da fertilidade. Característica essa que maravilhavam e perturbavam os homens, que até então desconheciam o seu papel na reprodução humana. Muitas representações femininas da época, traziam à tona o íncrível poder feminino de gerar a vida. E seus corpos eram modelados por conta disso.
2dc3189b58964ccd487edd255d5c3d36O corpo “ideal” foi variando de acordo com o tempo. É sabido que na Renascença, a mulher gordinha era símbolo de riqueza e fartura. Já nos anos 90, a magreza extrema nas passarelas, fazia do estilo “heroína chique” de Kate Moss o mais desejado entre inúmeras jovens, levando os distúrbios alimentares para o centro dos debates na mídia e fora dela.

De volta aos tempos atuais, as bonecas e as representações femininas foram ganhando outras visões, novas modelagens, e continuaram ditando a moda (ou servindo de veículo para ela).

Há quem diga que a Barbie foi inspirada em uma atriz de filme adulto e por isso apresentaria formas tão dificilmente alcançadas por uma garota comum. A versão oficial conta que a boneca foi inspirada em Bárbara, filha dos criadores (assim como Ken que na verdade era seu irmão) e não explica muito bem a origem das medidas da boneca.

Não há dúvidas que Barbie influenciou gerações. Em seus 57 anos de vida, ela levou sua loirice para os quatro cantos do mundo e inspirou meninas e meninos a mudarem seus corpos e suas formas de vestir.

Sabendo disso, a marca decidiu criar novos modelos da boneca, com as opções Tall, que é mais alta que a original, Curvy, mais curvilínea, e Petite, que significa “pequena” em francês e vem para representar exatamente as meninas baixinhas. Além disso, as novas Barbies ganham sete tons de pele, 22 cores de olhos e 24 estilos de cabelo que variam de cachos a cabelos coloridos.

Em estilo, as Barbies também ganham novas opções. Inclusive roupas mais leves, casuais e sapatos baixos, algo que parecia impossível para a boneca!

Apesar de oferecer muito mais variedades de estilos, ainda restam singularidades que não serão encontradas nas bonecas. A ideia não seria fazer uma boneca para cada pessoa única, e sim mostrar o reconhecimento da beleza da diversidade. Desta vez, Barbie poderá se redimir de anos de pouca de representatividade com as garotas que são diferentes, mas não menos lindas por isso.

16_01_08_matl_0141_website_desktop_topslider_slide1_ig_br_tcm892-117878

English version

We are all different, right? But most likely, those who have over thirty years grew up playing with blonde-blue-eyes dolls while not having any of those characteristics.
There is nothing wrong with Caucasians. The problem is that we got too used with this aesthetics and we stoped seeing the variety of options and the beauty that exists in each one.
So this word “representation” has gained more and more space since the 80s, according to the Ngram Viewer.

There is a discussion about the origin of dolls, but we can say that female representation began a while before the plastic doll. One of the first statues ever heard was the Venus of Willendorf and date between 2500 and 2000. C.

This statue shows a woman possibly pregnant with her hands over her breasts. Her face is not outlined. All sculpture draws attention to her belly, her basin, and her breasts. Classic fertility symbols. A characteristic that amazed men, who were unaware of their role in human reproduction. Many female representations of the time, brought to light the incredible feminine power to generate life. And their bodies were modeled on that account.

The “ideal” body type was varying with time. It is known that in the Renaissance, the chubby woman were a symbol of wealth. In the 90s, the extreme thinness on the catwalks made the style “heroin chic” from Kate Moss, one of the most desired way of life for many young people, leading eating disorders to the topic of the discussions.

Back to current times, dolls and other female representations were winning modeling, and dictating fashion (or being a vehicle to it).

Some say that Barbie was inspired by a porn star and therefore would present forms as hardly reached by an ordinary girl. The official version says that the doll was inspired by Barbara, daughter of the creators (like Ken, that war her brother indeed!) and does not explain very well the origin of her measures.

There is no doubt that Barbie has influenced generations. In hers 57 years of life, she took her blondness to the four corners of the world and inspired girls and boys to change their bodies and their way of dressing.
Knowing this, the brand decided to create new models doll, with the Tall option, which is higher than the original, the Curvy, more curvaceous and the Petite, meaning “small” in French to represent smaller girls. In addition, Barbie gained seven tones of skin, 22 tons of eyes and 24 types of hair styles varying from the colored hair to curls.

In style, Barbie also gained new options. Including lighter clothing, casual and flat shoes, something that seemed impossible for her!

Despite offering more varieties of styles, yet there are singularities that are not found in any of the dolls. The idea would not be to make a doll for every single person, but show the beauty of diversity. This time, Barbie will be able to redeem years of lack of representativeness with the girls that are different but no less beautiful.

150605155931-barbie-fashionista-line-exlarge-169

Pesquisa/ Research:

http://edition.cnn.com/2015/06/05/living/barbie-flat-feet-more-diverse-feat/

http://revistaglamour.globo.com/Lifestyle/noticia/2016/01/bonecas-barbie-ganham-3-novos-tipos-de-corpo-7-tons-de-pele-e-22-cores-de-olhos.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/V%C3%A9nus_de_Willendorf

http://bonecasnegras.blogspot.fr/2009/12/um-pouco-de-historia-bonecas-negras.html

Photos: wikipedia, pinterest, mattel

 

 

Anúncios

Uma resposta para “As bonecas e a diferença | Dolls and differences

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s